Precisa de ajuda com o seu projeto?

Fale com um de nossos especialistas em soluções corporativas

A essência que vem das ruas para inspirar a criação de mesas

Um designer e um fotógrafo saem às ruas de Nova York nos EUA para descobrir o que inspira a criação das mesas

Adaptação de Texto Original da Herman Miller – Escrito por Leon Ransmeier e Fotos por Geordie WoodFoto 00 7 300x188Leon Ransmeier

Como um exame de pensamento por trás da criação da coleção de mesas AGL, e uma reflexão sobre o processo de design em geral, as observações do designer Leon Ransmeier associadas às imagens do fotógrafo Geordie Wood servem como uma evidência das reações positivas e negativas que as pessoas têm com relação ao design (ou à falta dele) e como se acomodam intimamente aos locais em que vivem e trabalham, que hoje são mais ilimitados do que nunca.

No local

A ergonomia, como ciência, surgiu mais ou menos da boa vontade dos seres humanos de fazer coisas projetadas para acomodar corpos. Mas, às vezes, algo mais é necessário. A única maneira de realmente criar objetos que são verdadeiramente significativos para as pessoas é experimentando.

Nós adaptamos nossos corpos e vidas em torno dos objetos que possuímos, e isso é algo importante a considerar. Claro que, quando você está envolvido no processo de design, tem muitas perguntas. Por que os objetos têm determinada forma? Por que são usados ​​dessa maneira? Como poderiam ser mais bonitos ou confortáveis?

Aprender a olhar e ser observador é umas das coisas mais importantes em um designer.

Foto 01 4 300x225Recepção da sede da empresa AIG em Manhattan

Foto 02 5 300x225Elizabeth Beer e Brian Janusiak, proprietários do Project No. 8, em casa com a família em Carroll Gardens no Brooklyn

No estúdio, temos uma lista não oficial de coisas divertidas sobre as quais qualquer pessoa do mundo ocidental tem uma opinião, como sofás, batatas fritas e cães. As mesas não estão na lista por serem um item bastante arraigado em nossas vidas.

Sentar-se à mesa é uma parte essencial da nossa postura ocidental. O motivo de as pessoas terem uma opinião sobre sofás é porque eles envolvem conforto, e todos têm uma opinião sobre isso. As mesas também são confortáveis, mas esse conforto é específico em relação às proporções do nosso corpo e ao tamanho das cadeiras em que sentamos.

Por exemplo, a altura padrão para uma mesa de jantar ou mesa comum é obtida a partir de sua relação com a cadeira, que é determinada pela distância dos joelhos em relação ao chão quando você está na posição sentada. Então, pode-se dizer que a altura das mesas se originou do comprimento da canela das pessoas.

Foto 03 5 300x126Superfícies improvisadas em Chinatown (esquerda) e na barca de Staten Island (direita)

 Mobiliário é incrível no sentido de que, quando você entra em um novo apartamento vazio, quase não sabe o que fazer. Enquanto não der uma volta pelo espaço e sentar-se no chão não se sentirá à vontade.

Muitos ao redor do mundo se sentam no chão ou em um tapete, e isso dá certo no caso deles. Em muitos sentidos, nós fabricamos as nossas necessidades. Como ocidentais, estamos tão acostumados com mesas e cadeiras que isso se tornou uma necessidade.

Recentemente, conversei com um designer que me contou que sua empresa havia colocado áreas colaborativas descontraídas em alguns espaços projetados para clientes que acabaram sendo removidas porque os clientes não conseguiam fazer seu trabalho sem as mesas.

As pessoas precisam dessa superfície. Um escritório de arquitetura sem uma mesa enorme é inconcebível. Você precisa ter um lugar para colocar os desenhos!

Foto 04 2 300x225Uma reunião no escritório de Michael Van Valkenburgh no Brooklyn

Superfícies adaptáveis

Um fato sobre mobiliário: se ele não for uma coisa, ele é outra. Se uma cadeira não for usada para se sentar, torna-se uma mesa. Se a mesa não for usada como uma mesa, torna-se um assento. Pegamos a barca de Staten Island para procurar mesas, mas não encontramos quase nada.

Isso acabou sendo um motivo para conversarmos sobre mesas, pois toda superfície plana, mesmo as bem pequenas, acaba sendo usada como uma mesa. É apenas um exemplo de como, em um ambiente público, se houver uma superfície plana, ela coletará detritos.

Foto 05 2 300x121Início da manhã na barca de Staten Island

Em Nova York, não há muitos lugares em que o público possa se reunir e usar mesas e cadeiras. Há muitos bancos e mesas de piquenique com bancos embutidos, mas eles são fixos e menos flexíveis.

Uma mesa com cadeiras independentes e leves que possam ser movidas é uma experiência muito diferente, e não costumam ser vistas em espaços públicos. A Biblioteca Pública de Nova York é uma arquitetura elegante e incrível, com mobiliário de ótima qualidade, e um dos poucos lugares em que é possível encontrar muitas pessoas que apenas sentam e leem nas mesas.

Ela também possui um dos módulos para tomada em mesa mais bonitas que eu já vi, feito de bronze embutido. Mas, naturalmente, eles precisaram fazer um buraco no meio da mesa!

Muitas das grandes mesas com ligações elétricas no mercado possuem orifícios, mas quando você faz uma abertura no meio de uma mesa, ela nunca mais será a mesma. É muito melhor pensar na mesa como uma superfície contínua. É mais agradável.

Fontes de alimentação no tampo da mesa também contribuem para uma grande bagunça visível de fios, e a fonte de alimentação para o computador não tem nada a ver com a experiência de usá-lo; nem deveria necessariamente estar em sua visão periférica, você a toca somente para conectá-lo.

Foto 06 1 300x225A Sala de Leitura Principal “Rose” na Biblioteca Pública de Nova York

Foto 07 1 300x116Observações nas superfícies das mesas na Biblioteca Pública de Nova York (esquerda) e em Chinatown (direita)

A realidade da mesa virtual

Eu sempre achei fascinante as pessoas poderem sentar em lanchonetes e escrever dissertações e teses. Pessoalmente, gosto de trabalhar no meu escritório, de ter meus livros. Eu gosto de ter minha mesa, meu computador, minhas ferramentas.

Mas muitas pessoas só precisam de um par de fones de ouvido e uma superfície plana para colocar seu computador. A simplicidade disso é admirável, e diz muito sobre os nossos corpos e a tecnologia que nós projetamos. O laptop é ótimo, mas não funciona muito bem no colo, fica quente e desconfortável.

Devemos chamá-los de computadores de mesa compactos em vez de computadores portáteis, pois você precisa de uma mesa para trabalhar de maneira realmente eficiente em um laptop. O iPad é na verdade um laptop.

Foto 08 1 300x225Trabalhando na parte externa da Bolsa de Valores de Nova York

De certa forma, quando uma pessoa está sentada sobre uma superfície segurando um iPad, ela está levando consigo sua mesa de trabalho. Eu assisti a uma palestra de Bruce Sterling na conferência Eternally Yours na Holanda em 2003, e teve um momento em que ele disse que a tecnologia está nos moldando a tal ponto que agora as crianças estão apertando os botões do elevador com seus polegares.

Eu achei interessante. O gesto de uma pessoa segurando um dispositivo como um tablet ou smartphone tem provavelmente menos de 10 anos e agora é praticamente universal. Ela não está usando uma mesa, e sim criando a sua própria.

Foto 09 1 300x117A cena de uma mesa e a vista da cidade nos escritórios da revista Fast Company no novo edifício World Trade Center

Com itens de tecnologia ou computação, a forma é menos importante porque a interface é digital. Você pode fazer um computador em vários formatos e, ainda assim, devido às equipes conservadoras e orientadas pelo marketing, todos serão muito semelhantes.

O formato do mobiliário é muito mais orientado por sua relação com o corpo. É difícil esconder uma cadeira, e algumas pessoas já tentaram. Quando as coisas têm uma determinada altura ou tamanho e uma proporção específica, você sabe o que elas são e fará uso delas.

Mesmo que não tenha sido projetada para uma determinada finalidade, até se for uma rocha ao lado da rua, nós nos acomodamos.

Foto 10 300x225O diretor Sebastian Silva na sua casa em Fort Greene no Brooklyn

Foto 11 300x225O aluno Thelonious Goupil lê em um espaço público na Wall Street

 Quem poderia imaginar que as mesas poderiam reunir tantas ideias e reflexões por trás delas? E você, qual é a relação que você tem com as suas? São indispensáveis para você trabalhar? Compartilhe conosco nos comentários!