Yves Béhar

Yves Béhar é um pensador. E ele pensa bastante sobre o futuro. Isso fica evidente em seus projetos: de seu laptop vermelho para a Toshiba a suas elegantes Footprints fechadas para a Birkenstock e seus fones refinados Aliph Jawbone para celulares. “Acredito que o propósito do design não é apenas nos mostrar o futuro, mas nos trazer o futuro”, ele afirma.

O fundador do fuseproject (“dedicado à experiência emocional de marcas por meio de histórias”), Béhar explora o mundo do design desde a sua infância na Suíça. “Na Europa, é dupla natureza avaliar objetos com base em como eles funcionam e como se parecem”, ele explica.

Béhar cresceu em uma casa com duas culturas, influenciada por sua mãe, da Alemanha Ocidental, e seu pai turco. “Um é funcional e modernista enquanto o outro é expressivo e poético”, ele diz. “Sempre tento unir os dois em meus projetos.”

Para um designer relativamente jovem, ele tem uma carreira notável. Formado pela Art Center College of Design, ele começou a trabalhar com clientes do tecnológico Vale do Silício, como Apple e Hewlett Packard, ocasionalmente gravitando em esportes, vestuário, tecnologia e mobiliário.

Um dos inúmeros artigos de revistas escritos sobre Béhar o chamou de “designer multidisciplinar de nossa era”. Sua longa lista de prêmios inclui o prestigiado National Design Award do Cooper Hewitt Smithsonian National Design Museum, onde seu trabalho faz parte da coleção permanente.

Em 2004: ele tinha duas exposições solo, uma no San Francisco Museum of Modern Art, EUA, e outra no Musee de Design et D’arts Appliques Contemporains em Lausanne, Suíça.

“Ao trabalhar com os clientes, a minha filosofia é me conectar emocionalmente através de ideias e conteúdo em vez de estilo”, afirma Béhar. “Trata-se menos sobre esta ou aquela estética e mais sobre conversas relevantes onde as pessoas chegam a um acordo em termos de abordagem e direção.”

Sua colaboração com a Herman Miller surgiu por meio de uma dessas conversas. Admirador de Charles e Ray Eames, Béhar decidiu que queria fazer algo para a empresa por conta própria. “O design é o âmago da cultura da Herman Miller”, ele diz. “Um dia eu peguei o telefone, liguei para eles e disse: ‘vamos trabalhar juntos’.”

Quatro anos depois, a Herman Miller apresentou seus dois produtos de iluminação incrivelmente inovadores, Leaf e Ardea.

Considerando a variedade de produtos nos quais ele trabalha, parece que Béhar pode ter dificuldades em escapar do design. “Nem um pouco”, ele afirma. “Eu tenho muitos interesses que me mantêm equilibrado. Por exemplo, eu amo praticar surfe, windsurfe e snowboard. Então eu também passo muito tempo na natureza.”

Quanto ao seu futuro, Béhar diz que está feliz projetando produtos para as empresas que estão “buscando novas ideias, mudanças e transformação. Estou sempre entusiasmado de trabalhar com pessoas que querem avançar para o futuro e para a próxima geração”.

Pelas indicações, esse é o homem que pode conduzi-las.

Escritório/Estúdio
fuseproject
São Francisco, Califórnia, EUA
Nova Iorque, Nova Iorque, EUA

Prêmio/Reconhecimento
IDEA, Twist (Bronze), Ardea (Prata -eco, Ouro-ID), 2010
Prêmio GOOD Design, Ardea e Twist, 2009
Prêmio Green GOOD pela Leaf, 2009
Prêmio Red Dot Design pela Leaf, 2008/9
Prêmio Spark pela Leaf, Prata, 2007/8
ID Magazine Annual Design Competition, 2002/3/4/5/6
IDEA, Business Week Prêmio Ouro, Prata e Bronze Excellence Award (17), 2001/2/3/4/5